Flor de maio, flor da noite, flor de mãe


.

Em dezembro do ano passado,estampei junto com minha saudade a "flor de mãe" como carinhosamente chamamos uma linda flor branca que " só se abre a luz da lua".Falamos ontem sobre a flor, coincidência ou não, citada nos versos de Efrahim Maia.Mais uma vez, na união de nossos mais puros sentimentos fomos levados a emoções passadas, onde já não existe dor, somente um vazio;uma saudade cortante...Entoamos cantigas, derramamos nossas lágrimas, mas não lavamos nossa alma.Rimos, partilhamos e dividimos o que cada um de nós tem de mais puro: as raízes brejeiras, o encanto pelas coisas simples; um pássaro,o fogão à lenha aceso , um pedaço de chão, o sabor da fruta madura.E os momentos são puros, e a veracidade de um verso me vem à cabeça: "as coisas tangíveis tornam-se insensíveis à palma da mão, mas as coisas findas,muito mais que lindas, essas ficarão."Bendita seja a memória, que nestes momentos de ausência, projeta em meu coração sua presença,minha querida mãe, Mires Dalva Pena. Flor da noite - Efrahim Maia Oh, minha flor só e tristonha só se abre a luz da lua só se abre quando sonha a lua clara pelo ar Noite, canta e conta o seu segredo É feitiço ou é brinquedo que ao dormir esquece o medo desabrocha sem pensar Eu oculto minha face pra que ela não me veja Ah! se o coração falasse: Seja minha! Seja minha dor do dia Minha flor da noite Triste alegria minha flor da morte e nas sombras nuas eu me esguio a espiar minha flor só e tristonha só se abre a luz da lua só se abre quando sonha a lua clara pelo ar.

One Response to “Flor de maio, flor da noite, flor de mãe”

Your Reply