Archive for 2010

BUQUÊ DE PRESSÁGIOS


.

"De tudo, talvez permaneça o que significa.O que não interessa.De tudo quem sabe, fique aquilo que passa.Um gêranio de aflição.Um gosto de obturação na boca.Você de cabelo molhado saindo do banho.Uma piada.Um provérbio.Um buquê de presságios.Sons de gotas na torneira da pia.Tranqueiras líricas na velha caixa de sapato.De tudo, talvez, restem bêbadas anotações no guardanapo.E aquela música linda que nunca toca no rádio."

APRECIO VIVER


.

"Prefiro quando a vida me vem de surpresa e me agarra pelas pernas.Quando me vem saborosa e se derrete em minha boca me fazendo querer mais.Quando a vida vem em calmaria plena,em silêncios absolutos.Ou chega musical e sonora cantarolando em voz alta.Quando a vida me vem assim: imagem e cena sequenciada em fotografia.Quando a vida me vem (não importa como),Abraço!Aprecio viver."

ESPERANDO O ANO NOVO...


.

"Dia de limpar armários, revirar gavetas, separar o pouco que é meu do tanto que já se perdeu.Processo doloroso, é certo, mas cada vez menos: amadurecer tem suas vantagens.Cortar os laços deixa de ser tragédia sofocliana, olhos furados e um longo caminho de dor.Não: a graça está é no novo, e quem me dera viver só de começos.Trocar o amor que já se empoeirou pelas paixões sublimes, toques e lábios e o 'eu te amo' pronunciado com tanto fervor e certeza.Fênix, quem me dera."


.









É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo.


Clarice Lispector

FELIZ NATAL!


.

PAZ,AMOR,FRATERNIDADE, SAÚDE  E GENTILEZA!

Cheiro de flor quando ri


.

Lindas palavras de Ana Jácomo, dona de um jardim florido, lindo, leve e colorido...

"Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na frequência das coisas mais simples.Que o que amacia a vida, acende o riso, convida  a alma para brincar; são essas imensas coisas pequeninas, bordadas com fios de luz no tecido áspero do cotidiano."

Nao ir embora pra Pasargada - por Lya Luft


.





Eu já estava de malas prontas: ia pra Pasárgada— para quem não recorda,ou nunca soube ,é o reino feliz inventado por Manuel,o Bandeira,onde ele iria dormir com a mulher escolhida, na cama do rei.
Bandeira, o nosso, foi um poeta maravilhoso. (Gosto dessa palavra embora ande tão banalizada. Se a gente olhar ou escutar direito,ela ainda diz alguma coisa —e é boa,e forte.)
Lá não tem noticia ruim, desgraça, acidentes, politicagem nem deslealdade. Lá crianças não comem lixo. Lá não existe homofobia, nem declarada nem sutil, lá não se precisa ser competente nem brilhante, ou atleta sexual, ter os melhores cartões de credito, o carro mais potente, o apartamento em Londres ou Paris.
Lá também nao há instituições,e se houvesse,funcionariam.
Lá basta ser gente.
Para lá eu quis escapar deste reino das frases infelizes e atitudes grotescas, dos reis feios e nus, das explicações cabotinas, da falta de providências e de autoridade, da euforia apoteótica de um lado, e da realidade tão diferente de outro. Do que nos ronda insuspeitado ou faz caretas na nossa janela, e a gente nao acredita, nem se mexe, se ficarmos quietos o fantasma desaparece e o diabinho recolhe o rabão.
Eu ia embora porque enjoei da repetição obsessiva de fatos que provocam insônia no noticioso da noite e náusea no café da manhã. Ia partir sem endereço, sem telefone, sem email. Levaria comigo pássaros, crianças, e esta paisagem diante da minha janela (com nevoeiro, porque aí é de uma beleza pungente).
Levaria familia, amigos, livros, música e o homem amado.
Na minha nova e mágica terra eu tentaria não escrever mais sobre o que por estas bandas tem me angustiado ou ameaça transformar-se num tédio: sempre os mesmos assuntos? Só mencionaria o que faz a vida valer a pena: as coisas humanas, bons relacionamentos, escolhas positivas, alegria, vida e morte, e o mistério de tudo.
Talvez escrevesse sobre a dor (mas uma dor decente).
Sobre grandes ou pequenas vitórias, como quem deixou de beber ou de se drogar, quem teve coragem de ter um filho, quem sentiu a glória de se apaixonar com mais de sessenta anos, quem conseguiu abraçar um pai, um filho, a mãe que estava afastada.
Nem problema de transporte eu teria: para Pasárgada se viaja com o pensamento. Ainda bem, pois de avião estava sendo loucura e risco —- ainda outro dia vi num aeroporto um simples pai de familia com uma criança nos braços e outra dormindo no banco a seu lado, que, estava lá há quase 24 horas, e, entrevistado sobre aquele desconforto, respondeu: “A casa já caiu, temos de nos conformar “.
Pois eu acho que nem precisamos nos mudar de estado ou país, nem devemos nos conformar. Resignar se é ajudar a implantar o caos e a negligencia generalizada; a passividade é uma dessas alegrias falsas, que a gente devia questionar. Roubaram meu carro, não minha vida; mataram meu amigo, não a familia toda: por trás desses comentarios, que não inventei, espreita uma resignação maligna, que colabora com o mal que nos fazem.
É para rir ou para chorar? Ora rimos,ora choramos, esse é o novo jeito de ser.
Não em Pasárgada.
Para onde eu também levaria as minhas velhas crenças de que não somos totalmente omissos ou sem caráter, portanto este mundo tem jeito—embora às vezes eu não tenha muita fé nisso.
Uma dessas crenças é que a gente pode,sim,ser feliz. A gente pode até se vingar de toda a chatice, a grossura, a crueldade e angustia,—sendo feliz.
Lembro a história da filha adolescente de um amigo, que, rejeitada pelo namorado, passou uns dias em profunda tristeza, mas de repente apareceu na sala, perfumada, olhos brilhantes, pronta para sair. O pai interroga: Ué, filha, voltou com seu namorado? Resposta de inesquecível sabedoria: Não, pai,eu vou me vingar sendo feliz.
“Feliz?” dirão os céticos, os cínicos ou os simplesmente realistas. Pessoas mais graves e sensatas do que eu.
Quero explicar: é as vezes só um relance, uma sensação de estar em razoável harmonia consigo, os outros, o mundo.Pode ser aquela música escutada sem saber de onde veio, a chuva que cai depois do trovão. Pode ser o trovão. Pode ser a pele incrivelmente doce de uma criança, uma voz amada nos chamando, o filho que nos telefona sem maior motivo do que saber como a gente vai, alguém conhecido na rua que nos abre um sorriso.
Poder dar o pão e o leite para os meninos, botar flores na mesa, trazer um perfume novo para a mulher, preparar um prato especial para o marido.
Curtir a natureza e saborear a arte, atender aos necessitados, preparar crianças e jovens para a vida, cultivar gentileza e carinho na família, olhar para dentro de si mesmo e escutar seus desejos e sonhos, e respeitar seus limites, tudo isso é um bom começo.
Talvez seja uma saída. Não podemos mudar o mundo, mas podemos mudar nossa postura nele.
É trabalho de formiguinha, eu sei: abrir-se para o que existe de positivo. Pois a gente pode descobrir ou inventar as coisas positivas, ainda que em alguns lugares, com algumas pessoas, ou escondidas em nós, para usar algumas vezes. Uma pequena Pasárgada em cada um.
Nossa liberdade, aqui onde nao é Pasárgada, é obrigação de escolher: abro os olhos, não abro? Como essa comida, não como? Saio de casa, não saio? Vou no meu carro, ou, por causa da segurança, chamo um taxi? Telefono, fico calada, mando um email ou risco da lista de meus endereços? (O coração sempre foi meu pior conselheiro.)
Sou boa sou má, sou verdadeira sou desonesta, sou lúcida sou louca, cresço ou permaneço, amo ou abandono, ajudo ou torturo—–e assim, com o leque das possibilidades, me foi dado o tormento das opções. Digo sim ou digo nao,ou simplesmente fujo — quem sabe para essa terra perfeita que Bandeira inventou?
Mas na última hora decidi ficar.
Pois, fugindo, eu me sentiria como quem deserta um grupo com o qual tem laços muito fortes: meus leitores. Os que que me acompanham e os que pensam diferente, até os indignados— às vezes por terem lido algo que nem estava ali, ou porque eu de verdade escrevi bobagem, falei no que nao sabia direito. Todos são importantes para mim. Afinal somos irmãos, filhos desta realidade que pode ser quase igual a uma Pasárgada inventada.
Vou me vingar da chatice, da violência, das traições, da burocracia e da corrupção instalada, sendo feliz aqui.
E quando tudo me aborrecer de verdade, quando eu ficar cansada de minhas neuroses e manias, quando as pessoas estiverem demais distraídas, a paisagem perder a graça, a mediocridade instalar seu reinado e anunciarem o coroamento da burrice, —-vou espiar o letreiro que fala de uma riqueza disponível para qualquer um, e que botei como descansa -tela no meu eternamente ligado computador:
Escute a canção da vida.


.

"Meditei sobre as borboletas. Vi que elas podem pousar nas flores e nas pedras sem magoar as próprias asas."
Manoel de Barros

AMOR - Clarice Lispector


.








"Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil."

GESTOS


.




Não sei se acontece com todo mundo, mas final de ano sinto que estou mais suscetível à manifestações sentimentais: qualquer gesto, olhar, fotografia, pedido ou sorriso,  me deixa mais sensível, emotiva, às vezes muito triste.
Hoje, recebi uma rosa.Tão natural, tão singelo e espontâneo este gesto que me causou profunda comoção.Ganhei da minha tia e sogra: Tina.Dona Tiburtina.Tão espontâneo quanto seu gesto foi  a maneira como aconteceu.Afinal a linda rosa de cor rosa, estava ali, sem pedir nada, balançando ao sabor do vento preguiçoso e do calor insuportável da tarde de hoje.Eu também me senti como a rosa, sendo doada como um gesto de carinho, sem pedir nada,mas naquele momento o gesto me deu tudo que eu precisava.Minha mãe dizia que quando recebemos uma rosa, recebemos junto com ela uma "Graça".Só hoje percebi que a Graça é a oferta em si.Com a rosa nas mãos, senti saudades, senti doação, senti carinho e bondade.Neste momento, não precisava de Graça maior.Estava tudo ali.Nas minhas mãos.Ofertada pela calejada mão de 83 anos.Toda a Graça.

Palavras de Cecília...


.


"Não digas onde acaba o dia.
Onde começa a noite.
Não fales palavras vãs.
As palavras do mundo.
Não digas onde começa a Terra,
Onde termina o céu
Não digas até onde és tu.
Não digas desde onde és Deus.
Não fales palavras vãs.
Desfaze-te da vaidade triste de falar.
Pensa,completamente silencioso,
Até a glória de ficar silencioso,
Sem pensar."

DEZEMBRO


.



Ele chega naturalmente cansado.Tão rápido e tão tumultuado, que fatalmente lembro-me das palavras de Drummond onde a necessidade de recomeçar tudo de novo, faz com que alguém tenha a ideia de cortar o tempo em fatias, sendo que doze meses é tempo demais e já estamos no limite da exaustão.Junto com esta atribulação toda, sobra-nos no coração, todos os sentimentos de renovação, bondade e fé que o Natal e o Ano Novo carregam consigo.Cansamos, é verdade, mas a esperança de que os dias serão melhores não se perde.E vamos caminhando, seguindo nosso caminho, desenhando nossa história.C'est la vie...

VISTA CANSADA


.

      Nessa época do ano, estamos exaustos: corpo, alma, olhares... ... Mas mesmo com o esgotamento nos pesando , temos um olhar confiante e  a esperança sempre ao lado, caminhando conosco. Olhamos tudo e todos, mas nem sempre vemos.









Acho que foi o Hemingway quem disse que olhava cada coisa à sua volta como se a visse pela última vez. Pela última ou pela primeira vez? Pela primeira vez foi outro escritor quem disse. Essa idéia de olhar pela última vez tem algo de deprimente. Olhar de despedida, de quem não crê que a vida continua, não admira que o Hemingway tenha acabado como acabou.

Se eu morrer, morre comigo um certo modo de ver, disse o poeta. Um poeta é só isto: um certo modo de ver. O diabo é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar. Vê não-vendo. Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver. Parece fácil, mas não é. O que nos cerca, o que nos é familiar, já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa rotina é como um vazio.

Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta. Se alguém lhe perguntar o que é que você vê no seu caminho, você não sabe. De tanto ver, você não vê. Sei de um profissional que passou 32 anos a fio pelo mesmo hall do prédio do seu escritório. Lá estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro. Dava-lhe bom-dia e às vezes lhe passava um recado ou uma correspondência. Um dia o porteiro cometeu a descortesia de falecer.

Como era ele? Sua cara? Sua voz? Como se vestia? Não fazia a mínima idéia. Em 32 anos, nunca o viu. Para ser notado, o porteiro teve que morrer. Se um dia no seu lugar estivesse uma girafa, cumprindo o rito, pode ser também que ninguém desse por sua ausência. O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. E vemos? Não, não vemos.

Uma criança vê o que o adulto não vê. Tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo. O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de fato, ninguém vê. Há pai que nunca viu o próprio filho. Marido que nunca viu a própria mulher, isso existe às pampas. Nossos olhos se gastam no dia-a-dia, opacos. É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença.

GIRASSOL


.

A boa música popular brasileira  na voz de Efrahim Maia.Uma das minhas composições preferidas: Girassol.




"Ando feito folha de outono/nas galhas do inverno/lua solitária vagando perdida no céu/
 Sou girassol
 Sou girassol procurando uma fresta num dia cinzento
 Um bemol num acorde de notas trocadas tocadas ao vento
 Minha paz tá confusa/buscando a tormenta
 Cuidado comigo
 Uma folha se perde/se você me tenta/eu posso voar
 Não brinca comigo
 Que eu sou feiticeiro/sou frágil/sou forte/sou meio felino
 Sou feito menino
 Meu beijo mais doce/te pode matar
 Eu viajo no vento/ e nas noites de frio
 Depois que adormece/ te faço sonhar
 Me deito em seu leito/ do jeito que um rio/ se deita nas pedras/ se aninha e amanhece
 Dormindo com o mar..."


.










"O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria, 
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem."


Guimarães Rosa

AMOR - Fernando Pessoa


.


"Enquanto não superarmos
a ânsia do amor sem limites,
não podemos crescer
emocionalmente.

Enquanto não atravessarmos
a dor de nossa própria solidão,
continuaremos
a nos buscar em outras metades.
Para viver a dois, antes, é
necessário ser um."

ILÍADA - informações complementares - 6ª série


.

A guerra de Tróia é um evento mitológico grego descrito na famosa Ilíada de Homero (e também citado na Odisséia, do mesmo autor), narrando o longo conflito entre gregos e troianos que segundo o poeta, foi motivado pelo rapto de Helena. Embora existam indícios de que a guerra tenha ocorrido de fato por motivos econômicos e políticos, a história mais famosa é a que chegou através do poema épico.

A Obra Ilíada

Uma das mais importantes da literatura mundial, não conta literalmente toda a história da guerra, suas origens e causas. Apenas através das referências que faz a inúmeros outros mitos e de informações de outras obras se consegue ter uma visão completa. É dividida em cantos que já se iniciam no décimo ano da guerra e tem como personagens principais: entre os gregos Aquiles, maior dentre os guerreiros e seu companheiro Pátroclo; Agamênon, rei de Micenas e seu irmão Menelau, rei de Esparta e marido de Helena; Odisseu (ou Ulisses) rei de Ítaca e dotado de grande inteligência. Entre os troianos temos a própria Helena, o rei de Tróia Príamo e  seus filhos:  Páris, que raptou Helena e  Heitor, nobre e habilidoso guerreiro.






Origem e Conclusão na Mitologia

Outra lenda narra a origem mitológica para a guerra: o nascimento de Páris é profetizado como sendo o de quem trará a ruína de Tróia mas seus pais incapazes de matá-lo entregam-no para um pastor para que o faça. O próprio também é incapaz de fazê-lo e cria-o entre os demais pastores do monte Ida. Páris então se envolve na contenda entre três deusas, Atena, Hera e Afrodite, para decidir qual é a mais bela dentre elas. Ao escolher Afrodite, ele recebe a promessa do amor da mais bela dentre as mulheres, Helena. Depois de retornar à corte de Tróia e reassumir seu lugar, Páris é enviado a Esparta em uma missão diplomática, aonde se apaixona por Helena e a rapta para Tróia, dando início à guerra. Helena era tão bela que seu casamento só pôde ocorrer sem conflitos através de um pacto entre todos os reis, que juraram honrar e proteger a união. Dessa forma, Menelau convocou a todos para auxiliá-lo na batalha contra Tróia e os gregos lançaram-se ao mar. Somente através da obra Odisséia, nas aventuras de Ulisses, é que se tem notícia do estratagema do cavalo de Tróia e da derrota desta cidade.


Alguns deuses e divindades

Zeus - foi  o rei dos deuses e chefe de 12 deuses que viveram no Monte Olimpo.

Atena - era a deusa da Guerra, do conhecimento e de Atenas.Ela ajudava os heróis na batalha.

Poseidon - era o irmão de Zeus e Hades e deus dos mares e terremotos.

Afrodite - era a deusa do  amor e da beleza.

Hades -  deus do submundo - o lar dos mortos nas lendas gregas.




Livros


.


"Não era simplesmente por amar lê-los.Sim, amava.Amava todavia, mais forte e irresistivelmente as páginas, as letras enfileiradas, o cheiro do papel impresso.Amava-os por possuir, a posse que a encantava.Era preciso que ela os possuísse.Preciso e necessário.Tê-los ao redor, encarando-a, empilhados como que aguardando pacientes pela escolha."

O TEMPO - para Noêmia Coutinho


.



A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.


Mário Quintana

"Tô indo..."


.

Pro meu canto.Recarregar as baterias.Sentir cheiro de terra molhada.Manga tirada do pé.Cheiro de flor de laranja.Grilo.Cigarra.Pôr de sol.Passarinho.Folha.Fruto.Sossego.Fé.

SOBRE MUROS E LAMENTAÇÕES


.

Clarice Lispector já disse que escrever funciona como uma libertação.Verdade.Com tanta tecnologia à nossa disposição, fica mais fácil ainda, sem precisar de caneta e papel.Resolvi escrever a lamentar. 
Já não temos necessidade de recorrer a um grande muro e sobre ele derramar nossas lágrimas e lamentos.Há 20 a.C. Herodes construiu uma grande muralha.O imperador, Tito deixou de pé uma parte dessa muralha para mostrar ao mundo a grandeza dos soldados romanos que ousaram destruí-la.Os judeus costumam orar , chorar e lamentar junto ao muro, que hoje é considerado um lugar de culto religioso.Como não temos muros, construímos verdadeiras muralhas em volta de nós mesmos:lamentamos, julgamos,não reagimos.De que adianta tanto lamento?
Percebo que tão utópica quanto a perfeita harmonia, a solução mágica para os problemas não existe.É tão fácil somente lamentar...Tão difícil recarregar nossas energias em função de nós mesmos e daqueles que amamos!
A força maior está Naquele que há tempos nos consola, sempre presente, sem julgamentos ou condições.Que abre nosso coração para a prece e enche de esperança.Faz-nos acreditar que somos aquilo que desejamos, de alma e coração puros.
O que agora é essencial : transformar meu muro em esperança.

DOM CASMURRO - Roteiro de estudo - 7ª série


.


Caros alunos, ler Machado de Assis é muito mais do que uma obrigação; é um modo de compreender melhor a sociedade na qual vivemos e da qual usufruímos. Valores éticos e morais muitas vezes são relativizados. E foi essa máscara que Machado de Assis levantou com destreza, bom humor e ceticismo. 


1.           Enredo

Vivendo no Engenho Novo, um subúrbio da cidade do RJ, quase recluso em sua casa, construída segundo o molde da que fora a de sua infância, na Rua de Matacavalos, Bento de Albuquerque Santiago, ,com cerca de 54 anos e conhecido pela alcunha de Dom Casmurro por seu gosto pelo isolamento , decide escrever sua vida.

Alternando a narração dos fatos passados com a reflexão sobre os mesmos, no presente, o protagonista/narrador informa ter nascido em 1842 e ser filho de Pedro de Albuquerque Santiago e de D. Maria da Glória Fernandes Santiago. O pai, dono de uma fazenda em Itaguaí, mudara-se para a cidade do RJ por volta de l844, ao ser eleito deputado. Alguns anos depois falece e a viúva, preferindo ficar na cidade a retornar a Itaguaí, vende a fazendola e os escravos, aplica o dinheiro em imóveis e apólices e passa a viver de rendas, permanecendo na casa de Matacavalos, onde vivera com o marido desde as mudança para o RJ.

A vida do protagonista/narrador transcorre sem maiores incidentes até a 'célebre tarde de novembro' de 1857, quando, ao entrar em casa, ouve pronunciarem seu nome e esconde-se rapidamente atrás da porta. Na conversa entre sua mãe e o agregado José Dias, que morava com a família desde os tempos de Itaguaí, Bentinho, como era então chamado, fica sabendo que sua mãe se mantém firme na intenção de colocá-lo no seminário a fim de seguir a carreira eclesiástica, segunda promessa que fizera a Deus caso tivesse um segundo filho varão, já que o primeiro morrera ao nascer.

Bentinho, que há muito tinha conhecimento das intenções de sua mãe, sofre violento abalo pois fica sabendo que a reativação da promessa, que parecia esquecida, devia-se ao fato de José Dias ter informado D. Glória a respeito de seu incipiente namoro com Capitolina Pádua, que morava na casa ao lado. Capitu, como era chamada, tinha então catorze anos e era filha de um tal de Pádua, burocrata de uma repartição do Ministério da Guerra. A proximidade, a convivência e a idade haviam feito com que os dois adolescentes criassem afeição um pelo outro. D. Glória, ao saber disto, fica alarmada e decide apressar o cumprimento da promessa. Os planos de Capitu, informada do assunto, e Bentinho para, com a ajuda de José Dias, impedir que D. Glória cumprisse a decisão ou, pelo menos, a adiasse, fracassam. Como último recurso, o próprio Bentinho revela à mãe não ter vocação, o que também não a faz voltar atrás. Tio Cosme, um viúvo, irmão de D. Glória e advogado aposentado, que vivia na casa desde que seu cunhado falecera, e a prima Justina, também viúva, que, há muitos anos, morava com a mãe de Bentinho, procuram não se envolver no problema. Assim, a última palavra fica com D.Glória, que, com o apoio do padre Cabral, um amigo de tio Cosme, decide finalmente cumprir a promessa e o envia ao seminário, prometendo, contudo, que se dentro de dois anos não revelasse vocação para o sacerdócio estaria livre para seguir outra carreira. Antes da partida de Bentinho, este e Capitu juram casar-se.

No seminário, Bentinho conhece Ezequiel de Souza Escobar, filho de um advogado de Curitiba. Os dois tornam-se amigos e confidentes. Em um fim de semana em que Bentinho visita D. Glória, Escobar o acompanha e é apresentado a todos, inclusive a Capitu. Esta, depois da partida de Bentinho, começara a frequentar assiduamente a casa de D.Glória, do que nascera aos poucos grande afeição recíproca, a ponto de D.Glória começar a pensar que se Bentinho se apaixonasse por Capitu e casasse com ela a questão da promessa estaria resolvida a contento de todos, pois Bentinho, que a quebraria, não a fizera, e ela, que a fizera, não a quebraria.

Enquanto isto, Bentinho continuava seus esforços junto a José Dias, que, tendo fracassado em seu plano de fazê-lo estudar medicina na Europa, sugeria agora que ambos fossem a Roma pedir ao Papa a revogação da promessa. A solução definitiva, contudo, partiu de Escobar. Segundo este, D. Glória prometera a Deus dar-lhe um sacerdote, mas isto não queria dizer que o mesmo deveria ser necessariamente seu filho. Sugeriu então que ela adotasse algum órfão e lhe custeasse os estudos. D. Glória consultou o padre Cabral, este foi consultar o bispo e a solução foi considerada satisfatória.

Livre do problema, Bentinho deixa o seminário com cerca de 17 anos e vai para São Paulo estudar, tornando-se cinco anos depois, o advogado Bento de Albuquerque Santiago. Por sua parte, Escobar, que também saíra do seminário, tornara-se um comerciante bem-sucedido, vindo a casar com Sancha, amiga e colega de escola de Capitu. Em l865, Bento e Capitu finalmente casam-se, passando a morar no bairro da Glória. O escritório de advogacia progride e a felicidade do casal seria completa não fosse a demora em nascer um filho. Isto faz com que ambos sintam inveja de Escobar e Sancha, que tinham tido uma filha, batizada com o nome de Capitolina. Depois de alguns anos, nasce Ezequiel, assim chamado para retribuir a gentileza do casal de amigos, que dera à filha o nome da amiga de Sancha.

Ezequiel revela-se muito cedo uma criança inquieta e curiosa, tornando-se a alegria dos pais e servindo para estreitar ainda mais as relações de amizade entre os dois casais. A partir do momento em que Escobar e a Sancha, que moravam em Andaraí, resolvem fixar residência no Flamengo, a convivência entre as duas famílias torna-se completa e os pais chegam a falar na possibilidade de Ezequiel e Capitulazinha, como era chamada a pequena Capitolina, virem a se casar.

Em 1871 Escobar, que gostava de nadar, morre afogado. No enterro, Capitu, que amparava Sancha, olha tão fixamente e com tal expressão para Escobar morto que Bento fica abalado e quase não consegue pronunciar o discurso fúnebre. A perturbação, contudo, desaparece rapidamente. Sancha retira-se em seguida para a casa dos parentes no Paraná, o escritório de Bento continua a progredir e a união entre o casal segue crescendo. Até o momento em que, cerca de um ano depois, advertido pela própria Capitu, Bento começa a perceber as semelhanças de Ezequiel com Escobar. À medida que o menino cresce, estas semelhanças aumentam a tal ponto que em Ezequiel parece ressurgir fisicamente o velho companheiro de seminário.

As relações entre Bento e Capitu deterioram-se rapidamente. A solução de colocar Ezequiel num internato não se revela eficaz, já que Bento não suportar mais ver o filho, o qual por sua vez, se apega a ele cada vez mais, tornando a situação ainda mais crítica.

Num gesto extremo, Bento decide suicidar-se com veneno, colocado numa xícara de café. Interrompido pela chegada de Ezequiel, altera intempestivamente seu plano e decide dar o café envenenado ao filho mas, no último instante, recua e em seguida desabafa, dizendo a Ezequiel que não é seu pai. Nesse momento Capitu entra na sala e quer saber o que está acontecendo. Bento repete que não é pai de Ezequiel e Capitu exige que diga por que pensa assim. Apesar de Bento não conseguir expor claramente suas idéias, Capitu diz saber que a origem de tudo é a casualidade da semelhança, argumentando em seguida que tudo se deve à vontade de Deus. Capitu retira-se e vai à missa com o filho. Bento desiste do suicídio.

Durante a discussão fica decidido que a separação seria o melhor caminho. Para manter as aparências, o casal parte pouco depois rumo à Europa, acompanhado do filho. Bento retorna a seguir, sozinho. Trocam algumas cartas e Bento viaja outras vezes à Europa, sempre com o objetivo de manter as aparências, mas nunca mais chega a encontrar-se com Capitu. Tempos depois morrem D.Glória e José Dias.
Bento retira-se para o Engenho Novo. Ali, certo dia, recebe a visita de Ezequiel de Albuquerque Santiago, que era então a imagem perfeita de seu velho colega de seminário. Capitu morrera e fora enterrada na Europa. Ezequiel permanece alguns meses no RJ e depois parte para uma viagem de estudos científicos no Oriente Médio, já que era apaixonado da arqueologia. Onze meses depois morre de uma febre tifóide em Jerusalém e é ali enterrado.

Mortos todos, familiares e velhos conhecidos, Bento/Dom Casmurro fecha-se em si próprio, mas não se isola e encontra muitas amigas que o consolam. Jamais, porém, alguma delas o faz esquecer a primeira amada de seu coração, que o traíra (ou não?) com seu melhor amigo. Assim quisera o destino. E para esquecer tudo, nada melhor que escrever, segundo decide, uma História dos subúrbios do Rio de Janeiro.

2. Personagens principais

Bentinho/Dom Casmurro

Dividido entre a saudade da juventude irrecuperável e a meditação sobre seu caminho existencial, Bento Santiago ora manifesta certa condescendência diante do espetáculo do mundo, apreciando certos prazeres da vida, ora demonstra seu desencanto em reflexões melancólicas sobre a realidade. Este último sentimento, que domina a fase de maturidade do protagonista/narrador, acaba dando o tom a todo o romance. Consciente de sua ingenuidade no passado, não exacerba seu pessimismo e se mantém num equilíbrio filosófico que lhe permite assimilar as lições da vida e viver com certa paz interior. Em termos estritamente pessoais, Bento Santiago é um homem que pagou o preço de sua existência e aparou o suficiente os golpes do destino para poder ordenar a realidade e manter sua identidade. Em termos sociais, é o membro de uma classe superior para quem tudo se resume, na vida, em saber salvar as posses e as aparências, o que, em última instância, é a mesma coisa.

    Capitu
Mudando de classe social através das armas da inteligência e da sensualidade, Capitu, com seus 'olhos de cigana oblíqua e dissimulada', se perde - para o protagonista/narrador - em virtude de um autocontrole pouco desenvolvido, isto é, em virtude de não submeter-se aos limites impostos pela condição social a que ascendera. Mostra-se capaz de envolver Bentinho mas incapaz de dominar o mundo em que passa a integrar-se após seu casamento.

 Escobar
Com um perfil pouco desenvolvido no romance, Escobar é, em síntese, um homem de ação, pouco dado a especulações sobre o mundo. Sua carreira de comerciante e seu gosto pelo esporte - que o leva à morte - o contrapõem a Bento Santiago. É um personagem simples e linear, o que o configura como um perfeito parceiro de traição.

Sancha
Mais limitada e menos vital que Capitu, Sancha é seu oposto, como fica claro no fugaz incidente com Bento Santiago, quando ela recusa a dar o passo que levaria além dos limites impostos à sua condição de mulher casada.

D. Glória

Uma boa criatura, descendente de famílias tradicionais da aristocracia mineira e paulista, D. Glória se atém rigidamente às normas do grupo social e, apesar de ser ainda bela e jovem ao tornar-se viúva, recusa qualquer outro tipo de ligação com homens, dedicando-se às tarefas de administrar os bens, cuidar do lar e educar o filho. Como diz o protagonista/narrador, 'teimava em esconder os saldos da juventude, por mais que a natureza quisesse preservá-la da ação do tempo'. É a figura clássica da matrona ilibada e inatacável.

José Dias
Amante dos superlativos e da bajulação, as convicções de José Dias oscilam de acordo com os interesses dos membros da família a que se agregara. Neste personagem, Machado de Assis traça um perfil magistral de um grupo social típico da sociedade escravocrata brasileira do séc. XIX: o homem livre, mas sem posses, que, tanto por seu próprio interesse quanto por interesse da classe proprietária, integra-se em um clã e perde a própria identidade em troca dos favores que o mantêm vivo, livre e desfrutando de certo status social.

Padre Cabral
Apesar de ocupar um lugar discreto na obra, o padre Cabral encarna, claramente, a Igreja como instituição, como um núcleo de poder que, em plano secundário mas com certa importância, caracterizava a sociedade brasileira do séc. XIX, particularmente antes da República, a partir da qual separaram-se Igreja e Estado.

3. Estrutura narrativa

Em 218 capítulos, geralmente bastante curtos, Dom Casmurro é a narração, feita em primeira pessoa pelo próprio protagonista, da vida de Bento de Albuquerque Santiago, o Bentinho. A trajetória existencial recomposta vai do ano de 1857 até meados da década de 1890, quando o narrador, já quinquagenário, se debruça sobre o passado, apresentando-o e, ao mesmo tempo, analisando-o à distância, do que resulta uma estrutura narrativa em que se alternam a narração da ação e a reflexão sobre a mesma, ambas tendo por palco o RJ da segunda de do séc. XIX.