A palavra como salvação


.



Curtos momentos não são momentos vazios, rápidos.Ao contrário, são momentos valiosíssimos onde a troca de experiências, os olhares, as leituras (do mundo e de todos) excelem todas as outras leituras.Um grupo de professoras,(sim, todas mulheres!)reunidas com objetivos definidos, descontentamentos, preocupações, soluções e acima de tudo um brilho no olhar que nos difere:todas as rimas de poetas,todas as letras, todos os textos... E a esperança!Ah, essa sim, a esperança de engravidarmos corações e mentes com a descoberta constante da palavra e da escrita, enfim com a descoberta do mundo.Para salvar-nos, para salvá-los, para viver.
Andréia Souto


Clarice Lispector - A descoberta do mundo

Eu disse uma vez que escrever é uma maldição. Hoje repito:é uma maldição, mas uma maldição que salva.
Não estou me referindo a escrever para jornal.Mas escrever aquilo que eventualmente pode se transformar num conto ou num romance.É uma maldição porque obriga e arrasta como um vício penoso do qual é quase impossível se livrar, pois nada o substitui.E é uma salvação.
Salva a alma presa, salva a pessoa que se sente inútil, salva o dia que se vive e que nunca se entende à menos que se escreva.Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador.Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada...Lembro-me agora com saudade da dor de escrever livros.

One Response to “A palavra como salvação”

  1. Esperança: pensando daqui, concluo que é justamente esse o sentimento que nos faz insistentes no ensinar e servas do aprender.Prossigamos então, no fim da gestação nascerão homens e mulheres desejando mais que apenas estadia neste mundo: ansearão refazê-lo, remontá-lo. Profeticamente, tempo de renovação pela palavra.

    Beijos, amiga querida!

Your Reply